quinta-feira, 13 de setembro de 2007


A primeira vez que senti uma dor física insuportavelmente forte foi com o nascimento do meu filho mais velho - Gustavo. Faz hoje um ano que experimentei a maior dor psicológica, ainda mais insuportável que a dor física pois esta tem a ver com a psique. Como lidar com a doença de um filho? Ou melhor como lidar com a doença grave de um filho? Lembro-me como se fosse agora, neste exacto segundo o trajecto percorrido desde o quarto no S. Francisco Xavier até ao Hospital Egas Moniz onde foi operado.

O Gaspar estava excitadíssimo ao entrar na ambulância pela 1ª vez e eu aterrorizada com os acontecimentos das últimas horas. Aqui o tempo passa a ganhar outra dimensão e importância pois o que se deseja é que passe depressa tudo. Eu queria mesmo era aproveitar aqueles últimos momentos (pois era assim que os pressentia) com o meu grande tesouro. Da janela da ambulância fomos vendo o mundo lá fora, como era bonito e cheio de gente acompanhados pela banda sonora de urgência. Esperava-nos um quarto com paredes descascadas e colchas rotas e eu só conseguia pensar nos milhares de euros gastos em estádios de futebol, incrível não é? Apesar de tudo tivemos muita sorte com a senhora que estava no quarto. Sabia muitas lenga- lengas e essas coisas populares que vão passando de geração em geração e que tanto eu como o Gaspar gostámos de ouvir. O Paulo chegou a registar muitas delas possivelmente para dar continuidade.
À noitinha foram as avós, o tio Nuno tudo em romaria despedirem-se do Gaspar e portaram-se todos muito bem : sem choros nem lágrimas apenas rostos e gestos contidos pela emoção. Foi bonito. A família tem uma energia positiva e um efeito calmante. O Gaspar adormeceu com a história, como de costume, e com uma brincadeira da senhora que justificava assim os gritos que ecoavam no corredor. Naquela noite eu adormeci forte e orgulhosa de estarmos todos a fazer tudo como tinha que ser feito. Tinha conseguido controlar o medo e não o contrário. Tinha esperança no fundo e repetia vezes sem conta – vai correr tudo bem.

7 comentários:

Anónimo disse...

Força e grandes voos.

Beijinhos Gaspar e papás

ana paula

Flash disse...

E vai continuar a correr!

Força para o Gaspar!
Quanto a vocês basta ele melhorar e parecem logo o super-homem e a super-mulher.

Abraço forte

Anónimo disse...

Ao Gaspar e seus pais um abraço com o formato de um coração.

Tenho uma página no HI5 onde criei um grupo: "Oncologia Pediátrica". Tive conhecimento do site com o mesmo nome, através de um anjo que já partiu, infelizmente, mas continua a tocar alguns corações. O vosso anjo, Deus vai permitir, assim o creio, vai continuar a lutar, com a vossa força a apoiá-lo, e vai vencer! Quis dar a conhecer ao maior número, possível, de pessoas que o sofrimento não é ficção, é uma dura realidade e encontra-se escondido atrás de todas as portas. Entra numas, noutras não. Nunca sabemos qual será a próxima. Pedimos sempre que não seja a nossa, mas a possibilidade existe. Não podemos sentar-nos indiferentes e esperar que passe ao lado.
Divulguei, sem a vossa permissão, o blogue do Gaspar que espero receba imensas visitas e consiga despertar sensibilidades adormecidas. Solidariedade não pode ser uma palavra vã.
Ainda não conheço toda a história do Gaspar, mas vou conhecê-la, acreditem. Estarei ao vosso lado porque o meu pensamento já não consegue abandonar-vos.
Entrei no blog, parece-me que ele tem boas notícias para nos dar. O Gaspar não precisa das nossas lágrimas de tristeza, precisa de sorrisos, quando as lágrimas o impedem de sorrir. Não o conhecendo, penso que, quer que choremos com ele a alegria das suas vitórias.

TPS disse...

Queria deixar aqui um grande abraço e as maiores forças e felicidades para o Gaspar e sua família! beijos.

Anónimo disse...

desculpa lá veiga, o coment vem com meses de atraso mas quando vi este évora post é que teve mesmo de ser.ana RULES !!!!!
ainda por cima gostei tanto de vos ver ontem!! finix... e gostei mesmo de ler. mesmo que custe. a escrever e a ler.
desculpem o cliché blockbuster mas sente-se mesmo que «a força está convosco» !!
a culpa deve do super G!
beijos aos 4
ptt

Anónimo disse...

10 dias sem notícias. Bom sinal? É de certeza, acredito que sim! Não sou dada a rezas, mas as minhas preces, as preces de todos nós chegarão ao destino. As boas novas terão a ver com as aventuras escolares do Gaspar.
Em frente Gaspar, também eu preciso de ti para não voltar a desistir como já o fiz algumas vezes.
Fica a promessa. Voltarei!

Filipa disse...

OLÁ!
Cheguei aqui através do site oncologiapediátrica.

Fico imensamente feliz por saber que o Gaspar é um menino vencedor!! É SEMPRE UMA ENORME SATISFAÇÃO QUANDO SABEMOS QUE OS CASOS DE SUCESSO SÃO CADA VEZ MAIS!!

Sendo aluna do ultimo ano de Psicologia, encontro-me a fazer a minha tese nesta temática da oncologia pediátrica, especificamente direccionada para a Ansiedade, Stress, Depressão e Estratégias de Resolução de problemas nos pais desta crianças. Caso tenha interesse em participar basta aceder ao site da ACREDITAR - Assciação de pais e amigos de crianças co cancro - http://www.acreditar.org.pt/ (o link para responder ao questionário encontra-se no final da página inicial). Se quiser aceder directamente à minha página o endereço é o seguinte: http://www.paviroc.com/acreditar/

Caso tenha contacto com outros pais que vivenciam ou tenham vivenciado esta experiência agradecia que passa-se esta mensagem.
O meu muito obrigada!!
Desejo-vos todas as felicidades do mundo e estou certa que o Gaspar é um menino fantástico que tem uns pais maravilhosos!!

TUDO DE BOM PARA TODOS É O MEU GRANDE DESEJO!

Filipa Silva
e-mail/messenger:pipa.sms@gmail.com